Qual o "bicho" de hoje?

Apesar de proibido, lotéricas da CEF, sem restrições e medo, operam o jogo do bicho com sugestões e apresentação de resutados

Paulo Alceu
Paulo Alceu


Florianópolis

Jogo do bicho 
Por aqui corre solto, sem problemas e com a sensação de nenhuma repressão policial ostensiva. Até porque a legislação é benevolente. Parece até legalizado, embora se trate de uma contravenção penal grave. Apesar de proibido, lotéricas da Caixa Econômica Federal, sem restrições e medo, operam o jogo do bicho com sugestões e apresentação de resultados. Correm o risco de perder a licença, mas parece que não há fiscalização. Essa modalidade de jogo de azar sempre teve a complacência das autoridades, vez por outra agem e punem revelando eficiência. Transita pela corrupção passiva e ativa, bem como alimentando outros crimes como o tráfico de drogas, de armas e contrabando. A princípio inofensivo transformou-se numa grande organização que movimenta milhões. A tolerância por parte dos Poderes acaba abastecendo a criminalidade. Omissão perigosa. E a sociedade tolera tal prática e participa, fazendo sua fezinha. Nesse momento passa a ser conivente. Mas pouco ou quase nada acontece. No Congresso tramitam leis com punições mais severas, superando a contravenção, mas parece que não há tanto interesse na aprovação. Enquanto isso, o bicho trafega livre, sem grandes solavancos de repressão, até porque a legislação é capenga colaborando com o crime.

Angela Amin candidata? 

Arquivo/ND


Pois é, essa possibilidade foi aventada até bem pouco tempo. Enquanto se anunciava a chapa Cesar Júnior e João Amin, a ex-prefeita Angela Amin conversava com lideranças do PSDB, capitaneadas pelo ex-governador Leonel Pavan, montando uma aliança onde ela ocuparia a cabeça de chapa. Mas e a aproximação com o PSD, de Cesar Júnior? Segundo declarações de Pavan, o foco era o PP e o PSDB. Pelo menos acreditou nisso, durante os quatro encontros com a ex-prefeita, e a possibilidade real de uma chapa onde o PSD passaria a ser adversário. De repente, disse ter sido surpreendido com a informação de que o PP estaria com o PSD na corrida municipal da Capital. “Eles nos deixaram no pincel...” resumiu Pavan referindo-se ao PP e a ex-prefeita. Sendo assim, o caminho foi aproximar-se do PMDB, onde foram tabuladas conversas com o vice-governador Eduardo Moreira e o prefeito Dario Berger. Qual o resultado disso tudo? Gean Loureiro com João Batista Nunes de vice. É o que adiantou Leonel Pavan, acreditando que o DEM, de repente venha junto.


Pressão total
Não vai ser surpresa se o PSD, apesar de ter dois deputados estaduais capacitados para disputar em outubro, fechar com o PMDB de Udo Döhler, que ontem esteve com os deputados estaduais do partido. A pressão é fortíssima. O deputado Darci de Mattos já começa a demonstrar desconforto e prever o pior, embora deixe claro que é e continuará sendo candidato. “Nestes dois meses tudo pode acontecer”, apostou. Mas reconhece que o governador Raimundo Colombo está sendo pressionado para que o partido feche com o PMDB. Do outro lado, o senador Luiz Henrique da Silveira cobrando a fatura, pois sabe que com o PSDB com Marco Tebaldi e o PSD com Kennedy Nunes ou Darci de Mattos complica a eleição para seu afilhado Udo Döhler. E agora?


Reeleição
Por enquanto não surgiu uma chapa de oposição para disputar as eleições do Sindicato dos Médicos, que divulgou esta semana o calendário eleitoral. Tudo indica que a atual diretoria, comandada pelo presidente Cyro Soncini seja reconduzida para uma gestão de mais três anos. Atualmente, o Sindicato ultrapassa os cinco mil filiados, com a meta de ainda este ano chegar aos seis mil.

Irregularidade
Pagamentos irregulares, desde férias a diretores até patrocínios e doações, foram localizados pela auditoria do Tribunal de Contas responsabilizando o então presidente da Casan, Walmor de Luca. São R$ 410 mil que deverão voltar aos cofres da estatal até o dia 2 de maio. Mas existe a possibilidade de recorrer da decisão pelo Pleno do TCE. Há também acusações de atos de improbidade envolvendo também os chefes das agências regionais de Criciúma, Alessandro José Rabelo, e de Chapecó, Antonio Fernando Batiston. Cabe recurso...


Tuitando
- A PEC que libera o governador e o vice do pedido de autorização da Assembleia para viagens internacionais, com menos de 15 dias de duração, teve pedido de vista dos deputados Silvio Dreveck, do PP, e  Dirceu Dresch, do PT.

- Foram praticamente duas horas de uma intensa e importante conversa. Foi o que durou o encontro dos presidentes, Gelson Merísio, do PSD, e Leonel Pavan, do PSDB. Onde ficou claro que os tucanos estarão na Capital com o PMDB.

- “Dia 9 de abril estaremos lançando o nosso pré-candidato a Prefeitura de Joinville, deputado Marco Tebaldi.” E os problemas judiciais? “O Piriquito, Salvaro e muitos outros estão nessa e nem por isso não estão se preparando”, garantiu Leonel Pavan.

- Perguntado se disputaria a Prefeitura por Balneário Camboriú, o ex-governador Leonel Pavan foi objetivo: “Eu não sou candidato, mas poderei ser.” Ou seja, revelou que tem interesse e está esperando o momento certo, inclusive, para não gastar antecipado.

- Assumiu o PR de Florianópolis, o ambientalista Anselmo Döll, que começa a trabalhar o apoio do partido à candidatura da deputada Angela Albino, do PCdoB. A meta ambiciosa é de eleger em outubro 10 prefeitos e 150 vereadores.

Atento  

Arquivo/ND


 “Quase um ano de silêncio do Ministério da Pesca se passou, mas agora o assunto está na mídia nacional e há muito o que ser explicado em relação a essa iniciativa”, comentou o autor da denúncia deputado Edison Andrino. Trata-se das 28 embarcações encomendadas pelo Ministério da Pesca que estão se deteriorando num estaleiro em Santa Catarina. Ninguém apresenta uma explicação viável diante de suspeitas do TCU de licitação direcionada, superfaturamento e desvio de recursos para campanhas eleitorais. Depois da encomenda, feita pelo então ministro Altemir Gregolin, passaram pelo ministério, Ideli Salvatti e Luiz Sérgio de Oliveira, todos do PT. Agora está o senador Crivella.

E a Vida Segue
Há muito pré-candidato a prefeito correndo o risco de ter o registro no TRE vetado devido a Lei da Ficha Limpa, inclusive, prefeitos, de olho na reeleição.

 

Publicado em 04/04/12-06:00


Matérias relacionadas