Nova carteira de identidade, mais segura, já é emitida em Florianópolis

Documento, que demorava 15 dias para ficar pronto, agora é liberado em três dias

Fábio Bispo
Fábio Bispo


Florianópolis

Adriana Kleist Clark Nunes, 30 anos, lembra da tinta preta usada para colher as digitais, da foto 3x4 que tinha que ser levada de casa e da demora de todo aquele processo, há mais de dez anos — quando tinha entrado pela última vez em uma sala de identificação. Agora, em três dias Adriana estará entre os 15 mil florianopolitanos com o novo modelo de carteira de identidade.

 

Rosane Lima/ND
Adriana Nunes atualizou a carteira e está entre os 15 mil florianopolitanos que encaminharam o novo modelo da identidade

 

 

Lançada oficialmente nessa segunda-feira (2), o documento já vinha sendo impresso em Florianópolis desde agosto. Além de ser mais seguro, o processo de produção da nova identidade é totalmente informatizado e é capaz de reduzir o tempo de espera para emissão do documento. As carteiras no modelo antigo não precisam ser substituídas, a menos que haja necessidade, pois sua validade é indeterminada. Nesse primeiro momento, somente Florianópolis está imprimindo com o processo on-line o novo documento. A promessa é de que outras cidades serão incluídas no processo.

O processo automatizado oferece mais agilidade ao cidadão e funcionários. Antes, o prazo para entrega do documento era de 15 dias, a partir de agora serão apenas três. “Sem contar que aquela tinta preta usada nas digitais era bem difícil de sair. Agora, o processo está bem mais rápido e melhor”, conta Adriana, que decidiu refazer o documento por conta do tempo de uso. “A minha identidade era de dez anos atrás e estava muito antiga, por isso decidi fazer uma nova”, completou, enquanto posava para a foto, que é feita no local, logo depois das digitais serem colhidas através do sistema biométrico.

Segundo José Augusto Koerich, diretor do Instituto de Identificação de Santa Catarina, por lei a carteira de identidade não tem prazo de validade, mas pode ser recusada se o documento não representar fielmente a pessoa. “No caso dos países do Mercosul, por exemplo, só são aceitos documentos com até dez anos, contando da data de expedição”, informa Koerich.

As taxas cobradas pela carteira continuam as mesmas, bem como as instruções de levar duas fotos 3x4 e certidões de nascimento ou casamento para que não haja descontinuidade no serviço que é prestado atualmente, já que o novo formato ainda não consegue absorver toda a demanda.

 

Características do documento não mudam

Cidades como Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Anitápolis, Rancho Queimado, Biguaçu, Governador Celso Ramos e Antônio Carlos estão incluídas no processo e já recebem a nova carteira. Outros municípios como Jaraguá do Sul, Matos Costa e Timbó Grande, através de ações sociais, também receberam esse novo documento.

Elementos de segurança que no modelo atual ficavam sob plastificação total, agora podem ser avaliados por todas as pessoas que irão receber esse documento. A foto, assinatura e digital serão impressas na nova carteira.

A nova cédula de identidade contém todas as características de identificação da antiga, com o diferencial de que não pode ser plastificada de modo que impeça a manipulação do documento. “Os sinais de identificação podem ser sentidos no tato e vistos de melhor forma”, conta José Augusto Koerich, diretor do Instituto de Identificação. A nova carteira terá um formato semelhante às carteiras que os estados do Rio Grande do Sul e Paraná já confeccionam há algum tempo.

Entre as novidades anunciadas na segunda-feira, quando o sistema foi oficialmente lançado no Estado, Koerich destaca também a possibilidade de agendamento pela internet (HTTP:\\agendamento.igp.sc.gov.br). Na sala onde é feita a coleta de dados, o documento de origem (certidão de nascimento ou casamento) também é digitalizada e as informações compõem um banco de dados. “Agora também existe a segurança de que as informações são retiradas de maneira digital. Antigamente era em formulários, o que podia comprometer a segurança também do processo”, destacou Koerich.

Atualmente, o sistema biométrico só funciona em Florianópolis e em Joinville, mas o objetivo é estender, pelo menos, às demais 30 unidades do IGP (Instituto Geral de Perícias) no Estado.

 

Registro único só em 2020

O novo Registro de Identidade Civil, o RIC, que foi anunciado em 2011 e que vai reunir em um único cartão com chip o RG, CPF, certidões de nascimento e casamento, carteiras de motorista e passaporte continua em testes entre dois milhões de usuários no país. O novo documento, muito mais moderno, só deve chegar para toda a população em 2020.

 

Como fazer a identidade

- Ter em mãos certidão de nascimento ou casamento original ou autenticada

- Apesar de na sede do IGP, no Itacorubi, o sistema ser informatizado, a indicação é que os usuários continuem levando fotos 3x4

- O valor da segunda via da identidade é R$ 22

- A primeira via é gratuita

Publicado em 05/12/13-13:00


Matérias relacionadas