Os encantos e desafios da Guarda do Embaú

Praia conhecida por boas ondas, beleza e pousadas charmosas ainda tem um rio sinuoso

Fábio Bispo
Fábio Bispo


Florianópolis

Rosane Lima/ND
Barqueiroz levam turistas para cruzar o rio da Madre para chegar à praia

Uma das praias mais preservadas da Grande Florianópolis fica em Palhoça, já na divisa com Paulo Lopes, e é mundialmente conhecida pela beleza exuberante, as boas ondas para o surfe, além das charmosas pousadas espalhadas pelas pequenas ruas de terra que formam a comunidade. O traçado sinuoso do rio da Madre, que deságua na praia da Guarda do Embaú dá um toque ainda mais especial para o lugar.

A travessia do rio da Madre pode ser muito mais agradável que se arriscar a nado até a areia da praia, no outro lado do rio.  Em um dos 45 barcos que fazem a travessia de turistas, por R$ 2 por pessoa, além da travessia segura, o visitante ainda pode desfrutar de mais uma entre as tantas sensações agradáveis que o lugar pode trazer.

Mesmo o rio estando praticamente assoreado —efeito das extrações de areia e falta de dragagem no canal—, o que permite a travessia a nado sem grandes dificuldades, muitas pessoas optam pelos barcos. “Além de poder chegar do outro lado com tudo que o turista quiser levar sem molhar, ainda tem o passeio. Muitos preferem atravessar de barco por isso”, diz Antenor Tomas da Silveira, 48 anos.

O transporte dos visitantes é feito exclusivamente por membros da Associação de Barqueiros da Guarda do Embaú. Atentos, eles conhecem os segredos do rio e dizem que o que parece calmo, às vezes pode se tornar traiçoeiro. Não são raros os casos de afogamento ou de pessoas que se arriscam cruzar a nado e acabam sendo levadas pela correnteza.

Os barqueiros aguardam o dia 26, para daí sim começarem a temporada para valer. “Não é possível contar quantas vezes atravesso esse rio, depois do Natal a praia fica cheia até o fim da temporada”, comenta o barqueiro que na baixa temporada trabalha fazendo reformas em casas, mas que desde jovem atravessa o rio de canoa.

Para quem pretende explorar outros cantos da Guarda, costeando o rio da Madre é possível chegar à Prainha, na foz do rio. Outra opção é a visitação à Pedra do Urubu, que pode ser acessada por uma trilha que dura em média 20 minutos. São cerca de 800 metros de subida íngreme até lá em cima, quando o visual descortina as praias da Guarda, Pinheira, Sonho, Gamboa e Garopaba.

--Tradicional Bra do Evori não abrirá as portas nesta temporada, na Guarda do Embaú

Publicado em 24/12/13-11:02