Artista cria esculturas com arames

Entre o design e a arte, Marinela Goulart usa arames como matéria-prima para sua criação

Pedro Santos
Pedro Santos


Florianópolis

Rosane Lima/ND
Marinela transforma arame em cabides, biombos, luminárias e obras de arte


Na casa da artista Marinela Goulart, uma obra feita em pedra sabão repousa no topo da estante perto de uma parede. Parece uma escultura perdida perto de tantas outras na casa que ela divide com o marido, o arquiteto argentino Oscar Miletti. Só parece. “Quando meu pai estava doente, na UTI, ele deu um aceno de despedida antes de morrer”, lembra Marinela. Ao chegar em casa, ela decidiu que queria fazer uma escultura de mão de bailarina e estava com essa ideia fixa na cabeça. Depois de tanto trabalhar em pedra-sabão, Marinela terminou a obra e viu, estupefata, que ao invés da mão de uma mulher ela tinha feito uma mão masculina. Então ela se deu conta de que era a mão de seu pai justamente em um último aceno.

 

A história da artista que hoje produz objetos utilitários para a loja Imaginarium, pinta quadros de inspiração impressionista e cria obras de arame, nem sempre foi de produção artística. Quando jovem, ela chegou a cursar a faculdade de Artes, mas nunca produziu. Só depois de formada, quando começou a dar aulas de educação artística para crianças, é que surgiu o desejo em criar uma arte própria.

“Naquele tempo eu comecei a ver o mundo em forma de arte. Para onde eu olhava era só formas, planos e perspectivas”, diz enquanto mostra os livros de arte que lhe servem como inspiração.

E então veio o arame, a matéria-prima do trabalho de Marinela. Com a habilidade de anos de experiência, ela transforma o material frio do arame em arte. “Eu gosto de esculpir. Escultura é ocupação do espaço. Por isso eu associo a linha do arame como um pincel de desenho. Um dia achei que dava para desenhar com arame”, recorda.

Marinela deixou de dar aulas e entrou em um processo de produção intenso em que vive até hoje, produzindo objetos artísticos utilitários, de cabides a biombos, e também obras artísticas. Na mesa da sala da casa-ateliê, há um busto de Frida Kahlo e uma escultura com o contorno do rosto da pintora feito em arame. “Eu me identifico com as mulheres que enfrentaram tanta coisa para impor sua arte e visão de mundo.”

Não é a toa que a casa de Marinela é cheia de referências artísticas. O número da casa é o único da rua feito em arame. Como enfeite há vários bonecos de arame, sem contar nos quadros feitos por ela e pelo marido, que tem estilos bem diferentes. Nos dela, os traços se parecem com as linhas das esculturas de arame. As curvas sensuais, harmônicas, uma em sintonia com a outra refletem a visão do mundo que ela compartilha. “Minha vida é linguagem visual. Minha arte é o que eu acredito, o que vejo e o que eu sinto. Tudo é reflexão”, conta. “O que eu faço é uma paisagem do que eu estou sentindo por dentro.”

Publicado em 18/10/11-11:32