Raça e amor à camisa

Juca Miguel
Juca Miguel
Jornalista Esportivo. Colunista do Notícias do Dia com cobertura nas Copas da Alemanha e África do Sul.


Joinville

Carlos Junior/ND
Vander Carioca é a cara da raça do esporte joinvilense

 

Impossível não comentar sobre o amor à camisa de Vander Carioca. Jogador, independentemente da modalidade, é pago, e na maioria das vezes bem pago para trazer resultados. Mais bonito isto se torna quando o cara consegue aliar gols ou jogadas decisivas a uma pitada de amor e raça ao que faz. É de arrepiar ver a comemoração de Vander Carioca quando faz gols pela Krona Futsal. Tanto no jogo contra a Intelli, mas especialmente contra o Minas, o matador das quadras foi grande responsável por evitar uma tragédia maior dentro de casa. A cada gol dos colegas de time, uma vibração diferente, até marcar o seu e junto com a torcida, quase levar o Centreventos abaixo. E isto é raro de se ver hoje no mundo da bola. Os atletas do JEC poderiam se inspirar nele, não?

Mudanças para enfrentar o Santos

A adrenalina da eliminação do Catarinense já baixou e o foco do JEC passa a ser a Copa do Brasil e posteriormente a Série B. Para avançar na segunda competição mais importante do país, algumas coisas precisam ser modificadas. Diretoria, comissão técnica e principalmente jogadores têm de assimilar isto, pois quando a bola rolar para valer na Arena Joinville, o Santos-SP vem completinho e disposto a eliminar o jogo da volta. Numa conta rápida, se o Peixe bater o Coelho por uma diferença de dois gols, leva na bagagem 60% da renda (algo em torno de R$ 500 mil), uma quantia perto dos R$ 150 mil dados pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) ao clube que passar da segunda fase e ainda elimina o jogo da volta.  Estudioso como sempre, Arturzinho numa de suas madrugadas analisando o adversário, deve ter percebido isto e vai encontrar a forma de tornar mais sólida sua defesa com três zagueiros (Rafael, Sandro e Jussani) e um volante de ofício (Marcus Vinícius). Fora de campo, a diretoria busca reforços pensando já na Série B.

Poder ofensivo

Nada de ter medo do Santos-SP, mas neste caso, todo cuidado é pouco. O Alvinegro Praiano tem um esquema que em determinados momentos da partida joga em função de Neymar. O interessante, e aqui é que o mora o perigo, são as alternativas que Muricy Ramalho utiliza quando a joia brasileira não está bem. Montillo, André e Felipe Anderson deixam o ataque santista ainda mais forte.

Data

A CBF deve definir hoje a data dos confrontos dos jogos de ida da segunda fase da Copa do Brasil. Para o Tricolor seria interessante que o jogo fosse no dia 8 do próximo mês, para que Arturzinho tivesse mais tempo para entrosar esta equipe, mesmo porque reforços vão chegar nesta semana e o time pode se preparar melhor.

Finalizando

Conversei ontem com o presidente da Felej, Fernando Krelling que informou que a entidade está finalizando os processos licitatórios para dar entrada nos últimos ajustes de conduta para melhorias na Arena solicitados pelo Ministério Público, para aí sim, pleitear definitivamente em Brasilía-DF a ampliação do estádio municipal.

Orgulho

Das sete modalidades disputadas na fase microrregional dos Jogos Abertos da Terceira Idade de Santa Catarina, Joinville subiu ao lugar mais alto do pódio em seis vezes. A competição foi realizada ontem no ginásio Mário Timm e contou com a participação de cerca de 300 atletas com mais de 60 anos.

Alguém desafia?

Joinville garantiu o ouro na bocha e bolão feminino e masculino, no dominó e truco masculino e na dança de salão até 69 anos e dança coreografada. Barra Velha foi campeã na canastra masculina e no dominó feminino.  Itapoá ficou com a douradinha na dança de salão acima de 70 anos e o truco feminino. O ouro da canastra feminina ficou com Barra do Sul.

Colorados

No dia 27 de abril, o torcedor Dalton Cesar da Silva irá lançar o livro “Colorado 2006 a 2011: o clube mais Internacional do Brasil”, em manhã de autógrafos na Sociedade 31 de Julho.

Publicado em 25/04/13-10:40

Matérias relacionadas