Sociedade Floresta, em Joinville, comemora 68 anos de história tendo o esporte como referência

Floresta Futebol Clube, assim batizado em homenagem à exuberante vegetação que ainda predominava na região Sul, em 1937


Rogerio da Silva/ND
Júlio Vieira (C) à frente da diretoria que se esforça para resgatar a história de glória que marcou o Floresta

Em 1937, um grupo de desportistas do bairro Floresta que costumava se reunir para jogar bola nas imediações onde até há alguns anos funcionava a Lojas May, resolveu formalizar um clube, com estatuto, uniforme e diretoria. Nascia o Floresta Futebol Clube, assim batizado em homenagem à exuberante vegetação que ainda predominava na região Sul (o bairro ainda se chamava Santa Catarina 1. A partir do km 2, perto de onde fica o terminal urbano Vera Cruz, começava o Santa Catarina 2).

Trinta e quatro anos depois, em homenagem ao time, o então prefeito Pedro Ivo Campos decretava que aquela região passaria a ser o bairro Floresta. As cores? Parecia óbvio: floresta é verde. Mas alguém lembrou que um dos maiores rivais de então, o Glória F.C., já utilizava essa cor. As várias sugestões cromáticas que iam surgindo caíam logo, sob argumentos de que “o São Luís é vermelho, aquele outro é azul, amarelo já tem...”.

O argumento final, em defesa do preto e branco, foi o vencedor, ardorosamente defendido pela maioria de torcedores do Caxias. Seis anos depois, no dia 7 de setembro de 1943, o que era um clube de futebol se transformou numa entidade esportiva e social – a Sociedade Floresta.

Das origens, há pouca informação. Na edição número 9 do boletim informativo da Sociedade Floresta, de junho de 1986, o sócio Bruno Volles (que também foi presidente) iniciava a publicação dos anais do clube. Mas admitia: “Lamentavelmente não existem registros dos primeiros anos de existência da Sociedade Floresta (ex-Floresta F. C.). A história de sua fundação restringe-se aos depoimentos de moradores do bairro, principalmente daqueles que participaram ativamente da fundação”.

Entre os pioneiros, Volles destacava Amandus May, Eugênio Schubert, Ewald Timm, Alfredo Pinheiro, Leopoldo Kratsch, Antonio de Oliveira, Fritz Schubert, Silvino Silva, Juvenal Lino e Joaquim Cardoso. Também havia o grupo de jovens: Germano May, Israel Aguiar, Hercílio Diniz Pereira, Arthur Drefhal e Ervino Koerber, o “Sueco”.
Viúva de Arthur Volles e irmã de Germano May, Olivia May Volles dizia, em reportagem sobre o bairro Floresta, em outubro do ano passado: “O Floresta Futebol Clube trazia era muita incomodação. Quando meu marido era presidente, os jogadores apareciam lá em casa, pedindo dinheiro ou algo assim. Ele precisava cuidar de tudo, do uniforme às festas na sociedade.”

O terreno onde o novo clube faria seu campo se situava onde hoje fica a praça Tiradentes, na esquina das ruas Santa Catarina e Ely Soares – esta rua ganhou a denominação anos depois, em homenagem à filha do dono do terreno. Nos anais, segundo Volles, “a data de fundação oficial do clube foi registrada apenas anos depois, em 7 de setembro de 1943”.

Envergando a camisa alvinegra, além de alguns dos já citados pioneiros, marcaram época atletas como os irmãos Arlindo, Waldemiro e Lolo Steuernagel, Arthur Ruam, Oswaldo Tavares, Emitério Nunes, Alex Schubert, Hugo e Dorival May, Raul Timm e os irmãos Harry e Tibe Schulz.

A primeira diretoria

Inexistem registros em ata, mas Bruno Volles conta que um livro-caixa trazia a nominata da primeira diretoria: presidente José Elias de Souza, vice Oswaldo Tavares, tesoureiro Pedro de Almeida, secretário Bernardo Behnke Filho e guarda-esporte Arthur Ruam.

Como diretor e atleta, Bernardo Behnke Filho, mais conhecido como “Filho”, lutou incansavelmente pela oficialização do clube, finalmente filiado à Liga Joinvilense de Futebol.

Filho só não pôde ver concretizado o sonho de estrear na segunda divisão, pois morreu em 1949, poucos meses antes do primeiro jogo, uma goleada de 3 x 0 sobre o Bonsucesso, que jogava num campo onde hoje fica a rodoviária.

Desde o início, havia uma preocupação da diretoria em oferecer aos associados algo mais que o futebol. O primeiro evento social promovido pelo Floresta foi o baile de aniversário, comemorando cinco anos de fundação, em 7 de setembro de 1948, em uma escola isolada na rua Wenceslau Braz, no bairro. O sucesso foi total! Dali para a frente, bailes e domingueiras se sucederam, utilizando o salão arrendado do Botafogo.

Divulgação/ND
Reunião de moradores que oficializou a sociedade, batizada de Floresta bem antes do bairro ser nomeado

 

Divulgação/ND
Na galeria, a data de 7 de setembro de 1943 é considerada a oficial da entidade idealizada em 1937

 



Sempre fui o redator de atas e procurei guardar o que fosse possível (...) muito se perdeu. - Jair Cunha, Filho do fundador Elpídio Cunha e secretário cativo da sociedade

 

Leia a matéria Especial na íntegra na edição impressa do Notícias do Dia de quarta-feira, 7 de setembro

Publicado em 07/09/11-18:25