Duas vítimas de tentativa de homicídio morrem no hospital em Joinville

Um homem foi baleado em frente a lanchonete, outro foi agredido na rua. Os dois casos foram no bairro Paranaguamirim, na zona Sul

Windson Prado
Windson Prado
Repórter de Segurança e Geral do Jornal Notícias do Dia Joinville


Joinville

Luciano Moraes/ND
Espancamento: Alexandre Gomes de Souza foi atacado numa área de invasão
Rogério Souza Jr./ND
Na frente do filho: adolescente de 15 anos viu o pai ser baleado

Dois homens que foram vítimas de tentativa de homicídio morreram na madrugada de segunda-feira (3) no Hospital São José, em Joinville. Um foi baleado no dia 25 de setembro e estava internado em estado grave. O outro foi espancado na terça-feira (4) e morreu uma hora depois ser levado ao hospital. Os dois casos foram no bairro Paranaguamirim, zona Sul.

Com estas duas mortes sobe para 49 o número de pessoas assassinadas neste ano na cidade. Foi o sétimo caso no Paranaguamirim, que lidera a estatística entre os bairros.

A polícia investiga os motivos da agressão que terminou na morte de Alexandre Gomes de Souza, 37 anos, encontrado caído no final da rua Roberto Firmino da Silva. De acordo com a Polícia Militar, Alemão, como Alexandre era conhecido, estava inconsciente, sangrava muito e tinha ferimentos na cabeça. Uma equipe do Samu levou a vítima até o hospital. Alexandre não resistiu aos ferimentos e morreu devido a traumas no crânio e na face.

O local da agressão é uma área de invasão. Uma mulher, que disse ser namorada de Alexandre, falou com a equipe do ND. “Eu não sei bem o que aconteceu. Acho que ele vinha falar com um ‘chegado’ e acabou sendo assaltado. Ele não tinha vícios e era uma pessoa boa, trabalhadora”, contou Edinéia Correia, 19. Ela falou também que o companheiro trabalhava com escolta armada e que tinha três filhos.

O caso é investigado pelo delegado Paulo Campos Santos, da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Ontem uma equipe esteve no local para coletar provas. “Ainda é cedo para afirmar a autoria e a motivação deste assassinato”, resumiu Santos.

Baleado na frente do filho

Outra vítima de agressão que morreu na terça-feira94) de madrugada foi o servente de pedreiro baleado no dia 25 de setembro no bairro Paranaguamirim. Lourival Aparecido Carvalho, 39 anos, e o filho, um adolescente de 15 anos, estavam em frente a uma lanchonete da rua Paulo Roberto Anastácio, no loteamento Jardim Edilene, quando foram atropelados por um Peugeot ocupado por  três homens.

Lourival discutiu com os três, que prometeram vingança. “Eles viraram a esquina e um deles desceu. Ele colocou um capuz, abriu a jaqueta e pegou um revólver. Eu gritei: corre pai, corre pai, mas não deu tempo. Ele deu dois tiros no meu pai, bem no peito. Aí apontou a arma para mim. Só que a bala mascou. Ele apontou de novo para o meu pai, que já tava caído no chão, e deu outro tiro que acertou o pescoço dele”, contou o filho de Lourival no dia 26 de setembro.

O jovem disse suspeitar que o ataque foi planejado. “É um pessoal que está ligado ao cara que matou o meu irmão”, declarou o adolescente.  Ele se referia a John Lennon Dadalt Carvalho, irmão mais velho, assassinado com um tiro no pescoço em 2 de maio de 2009, no mesmo bairro. Ele tinha 17 anos na época.
Lourival Carvalho era casado e deixa cinco filhos. O velório será na casa da família, na rua Paulo Roberto Anastácio, quadra 50, lote 15. O enterro será na quarta-feira (5), às 10h30, no Cemitério Nossa Senhora de Fátima.

Publicado em 04/10/11-11:30